ENSAIOS TÉCNICOS

A NÍVEL NACIONAL

Desde outubro de 2017 que a ANACOM disponibiliza espectro radioelétrico para a realização de ensaios técnicos, estudos científicos, demonstrações em contexto de utilização prática e avaliação da tecnologia 5G, de acordo com o disposto no Decreto-Lei n.º 151-A/2000, de 20 de julho, na sua redação em vigor.

Testes e ensaios permitem preparar a implementação da redes 5G

Este tipo de ensaios e estudos técnicos revestem-se de um grande valor acrescentado, pois permitem que investigadores, fabricantes e operadores de comunicações eletrónicas testem as várias funcionalidades e capacidades destas tecnologias, bem como avaliem os seus modelos teóricos, antes de se avançar para a implementação das futuras redes 5G, com a consequente disponibilização de serviços aos consumidores.

Esta iniciativa permite acumular conhecimento sobre a nova tecnologia e apoiar na preparação da futura operação comercial das redes 5G, de forma mais segura, que serão uma oportunidade para sustentar o desenvolvimento socioeconómico do país e, por inerência, a sociedade à escala global.

Por outro lado, permite apoiar o cumprimento da estratégia da União Europeia (UE) para o Mercado Único Digital, que recomendou uma introdução coordenada a nível da UE a fim de fomentar o investimento nas redes de banda larga de elevado débito e de facilitar a proliferação de serviços digitais avançados, destacando nomeadamente a necessidade de garantir a oferta de serviços de banda larga em zonas rurais.

Fabricantes e operadores realizam ensaios e estudos ao longo do país

Os fabricantes e os operadores de comunicações eletrónicas têm sido os principais interessados nesta iniciativa da ANACOM e os referidos ensaios e estudos abrangem áreas geográficas diversificadas, objeto de prévia coordenação entre os interessados e a ANACOM.

A NÍVEL INTERNACIONAL

A realização de ensaios técnicos está a ocorrer também ao nível internacional. O Observatório 5G da Comissão Europeia, divulga um conjunto de noticias sobre ensaios técnicos realizados na Europa, por país da divulgação.

5 Comments

  1. Ricardo Martins diz:

    Porquê fazer os testes em locais que tem grandes ligações de fibra e de comunicações excelentes quando as pessoas que realmente vão ter necessidade é as pessoas rurais, daí os teste devessem ser feitos nas periferias tipo São Brás de Alportel

    • portal 5G diz:

      Caro Ricardo Martins, agradecemos o contributo.
      Informamos que à ANACOM compete apenas analisar e decidir quanto à autorização dos pedidos de ensaios técnicos recebidos, não cabendo a esta Entidade Reguladora definir os locais onde os ensaios são efetuados pelos respetivos proponentes.

  2. Anónimo diz:

    Se a anacom obrigasse os fornecedores de sinal a facturar apenas a velocidade real e não a dos contratos que nunca são atingidos ,o problema ficava resolvido .Mas o regulador tem outras perpectivas ,agradar ao maior numero de pessoas (embora isso esteja errado) e depois admiram-se dos populismos .

  3. Elisabete Fernandes Martins diz:

    elisabetemartinsfernandes2007@gmail.com . Eu Elisabete Fernandes Martins cliente da Nos estou com muitas dificuldades em ter rede no telemóvel e no Twitter. Se não resolver isto quanto antes vou para outra operadora. Tenho de estar sempre contactável e não consigo

    • Portal 5G diz:

      Cara Elisabete,
      O Portal 5G não recolhe solicitações ou reclamações dos utilizadores relativamente aos serviços prestados pelos operadores de comunicações eletrónicas. No Portal do Consumidor da ANACOM – em http://www.anacom-consumidor.pt – encontra informação útil sobre os serviços de comunicações, bem como sobre o que pode fazer em caso de conflito com um prestador de serviços.
      Se necessário, contacte a ANACOM através do número gratuito 800 206 665 ou, se quiser apresentar uma reclamação, poderá registá-la através do formulário disponível no livro de reclamações eletrónico – em http://www.livroreclamacoes.pt/inicio – selecionando a opção “Fazer reclamação”. Ao apresentar a sua reclamação por esta via, o prestador de serviços tem 15 dias úteis para lhe responder. A ANACOM terá conhecimento, quer da reclamação que apresentou, quer da resposta que lhe tiver sido enviada pelo prestador de serviços.